• Cliniprev

Precisamos falar sobre o câncer de mama. Sempre.

As estatísticas sobre o câncer de mama no Brasil, publicadas no portal do INCA em junho de 2021, revelam que 16,4% dos óbitos em mulheres, relacionados ao câncer, tem as mamas como localização primária do tumor.


Por isso, nunca é tarde — ou exagero — conversar sobre o câncer de mama e a importância da prevenção para aumentar as chances de recuperação e cura.


Todos os anos, a campanha Outubro Rosa vai ao ar para nos lembrar que a conscientização e o diagnóstico precoce são as chaves para salvar vidas. Continue a leitura e informe-se!

Mulheres de rosa em conscientização ao outubro rosa e câncer de mama

O que é o câncer de mama?


Segundo o INCA:

“O câncer de mama é uma doença causada pela multiplicação desordenada de células anormais da mama, que forma um tumor com potencial de invadir outros órgãos.

A maioria dos casos, quando tratados adequadamente e em tempo oportuno, apresentam bom prognóstico.


O câncer de mama também acomete homens, porém é raro, representando apenas 1% do total de casos da doença”.


Quais os principais sintomas do câncer de mama?


Você deve acender o alerta caso apresente algum desses sintomas:

  • Na pele — edema ou retração cutânea;

  • No mamilo — descamação ou ulceração do mamilo, secreção papilar, alteração no bico do peito;

  • Na mama — vermelhidão e aumento da temperatura (conhecido como hiperemia), dores e aparecimento de nódulo geralmente indolor, duro e irregular.


principais sintomas do câncer de mama

Fatores de risco


Embora o câncer de mama não tenha uma única causa, a doença pode se desenvolver por fatores ambientais e comportamentais, fatores da história reprodutiva e hormonal e/ou fatores genéticos e hereditários. Sendo que:

  • Fatores ambientais e comportamentais — Compreendem a obesidade, tabagismo, consumo de bebida alcoólica, sedentarismo e exposição frequente a radiação, como máquinas de raio-x ou tomografia;

  • Fatores da história reprodutiva e hormonal — menarca precoce, não ter filhos, primeira gravidez após 30 anos, menopausa após os 55 anos, uso de anticoncepcional por tempo prolongado e reposição hormonal pós-menopausa por mais de 5 anos;

  • Fatores genéticos e hereditários — histórico familiar e alteração genética nos genes BRCA1 e BRCA2.

Amamentar é uma forma de prevenção. O movimento de sucção do leite renova as células do tecido mamário. A OMS recomenda que a criança seja amamentada até os 2 anos de idade. Se você está grávida ou com dificuldades de amamentar, procure uma consultora de amamentação.

Como é feito o tratamento para o câncer de mama?


O tratamento para o câncer de mama é acessível, pois, está disponível pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Os exames preventivos, como o papanicolau e a própria mamografia, podem ser solicitados nas UBS.


Além disso, a saúde também cobre o tratamento com radioterapia, quimioterapia, hormonioterapia e tratamento com anticorpos. Incluindo as cirurgias como mastectomias, cirurgias conservadoras e reconstrução mamária, caso necessário.


Como fazer o autoexame?


O autoexame é o primeiro passo para a detecção precoce do câncer de mama. Veja o passo a passo:

  1. Levante o braço e apoie-o sobre a cabeça;

  2. Examine as mamas direita e esquerda;

  3. Divida o seio em faixas e analise devagar cada uma dessas faixas. Use a polpa dos dedos e não as pontas ou unhas;

  4. Sinta a mama;

  5. Faça movimentos circulares;

  6. Repita os movimentos em outras posições.

Para facilitar, veja a ilustração:


como fazer autoexame das mamas

Vamos falar sobre isto?


A luta contra o câncer de mama e a busca pelo diagnóstico precoce é uma responsabilidade de todos nós! Converse sobre o assunto com suas amigas, as mulheres de sua família e colegas de trabalho.


Compartilhe este post com quem você ama. ❤️